A Pedra e o Farol

19 de agosto de 2015



A produção do documentário "A Pedra e o Farol" chega a sua fase edição e finalização após um longo processo de viabilização e mais de 18 meses de captação de imagens. O filme mostra a relação entre o Farol de Santa Marta e a Pedra do Campo Bom (Laje da Jagua), região onde aprendi a surfar e com a qual tenho uma ligação desde que me conheço por gente.

Thiago Jacaré na Laje da Jagua, foto: Lucas Barnis

Realizar um filme independente com apenas 20% dos recursos previstos no orçamento é uma missão somente possível graças a parceria e ao empenho dos muitos amigos e profissionais talentosos que acreditam no projeto e uma dura adaptação às restrições financeiras impostas para produzir dezenas de entrevistas e imagens de ação e natureza, que irão compor a narrativa deste documentário longa-metragem.

Naufrágio em Jaguaruna, foto: acervo Gentil Reynaldo
Olhando pra trás, parece incrível lembrar que e o roteiro original deste filme foi consolidado ainda em 2009, junto com o projeto de documentário "Pegadas Salgadas" que consegui finalizar em 2012, graças ao prêmio alcançado com o Edital de Cinema de Santa Catarina - e cuja equipe consegui reunir mais uma vez neste novo projeto.



Viabilizado com apoio da GAM/Farol Shopping via Lei Rouanet/MINC, o projeto "A Pedra e o Farol" continua com captação aberta até o final do ano para tentar novos recursos que permitam investir na finalização, divulgação e lançamento do filme ainda em 2015 com a alta qualidade que ele merece.



Neste contexto, a conclusão do trailer de divulgação é um passo importante para consolidar as ideias e o conteúdo gravado, que, assim como em Pegadas Salgadas, vai muito além da temática tradicional dos filmes de surf e visa alcançar um público mais abrangente. Uma proposta alcançada a partir do resgate da história da região de Laguna e Jaguaruna, dentro de uma reflexão universal sobre a relação do homem com a memória e a paisagem em que vive. Confira aqui o blog oficial do filme.



Dito isto, o surf aparece sim em destaque em diversos momentos do filme, revelando a sua importância na popularização da região do Farol de Santa Marta como destino turístico e resgatando a história da descoberta do potencial de big surf da onda da Laje da Jagua a partir de 2002, com depoimentos de surfistas renomados como Rodrigo Resende e Fábio Gouveia, além dos surfistas locais da laje: Thiago Jacaré, André Paulista, João Capilé, Fabiano Tissot e João Baiuka.  



Ficha Técnica do Trailer "A Pedra e o Farol":

Direção, Roteiro e Produção: Luciano Burin
Edição e Montagem: Luciano Burin e Marcos BG
Cinegrafistas: Antonio Zanella, Guilherme Reynaldo, Luciano Burin, Marcos Vinicius D'Elboux, Marcos BG e  Rafael Ribeiro
Imagens adicionais: Lucas Barnis
Som Direto: Luciano Burin
Edição de Som e Trilha Sonora: MarcosBG
Acervo de Fotografias: Gentil Reynaldo

Novas Relíquias

4 de agosto de 2015


Ao descobrir que sua atração pelo surf se resumia na essência de deslizar nas ondas sem grandes pretensões, o shaper Alex José se apaixonou pelo longboard clássico e decidiu fazer as suas próprias pranchas de madeira. Buscando uma vida simples nas cercanias do Farol de Santa Marta (SC), ele criou a marca Noserider, que resume a sua paixão pelo surf clássico dos anos 50, antes do advento das pranchas de poliuretano e minimodels.



A primeira experiência com madeira foi uma 11`8’’ maciça, modelo malibu sem rocker, feita com tábuas de pendão de agave em parceria com o shaper Tiago Tenfen. Tempos depois, quando soube de uma árvore de garapuvu tombada pela erosão do solo, ele foi atrás desta nobre madeira nativa – utilizada nas antigas canoas açorianas de um pau só - para fazer uma nova prancha. Da colagem das tábuas surgiu uma nova monoquilha malibu 10 pés com uma grande quilha em D e rabetas quadradas, como manda a tradição. “As pranchas de madeira maciça te dão uma leitura de onda bem diferente. É como aprender a surfar de novo”, resume Alex.


Outra criação inusitada é uma gunzeira de madeira maciça feita sob encomenda para o amigo Lucas Búrigo, outro surfista entusiasta das pranchas clássicas: “Reproduzimos um modelo do Pat Curren de 12 pés para surfar Waimea, feita com tábuas de agave”, explica ele, mostrando o modelo monoquilha com rabeta estreita, que tem sido usado nos dias grandes na onda do Balcão na praia da Galheta, seu pico local.

Alex e Lucas Búrigo no Balcão

Recentemente ele decidiu cortar o long de garapuvu para desbastar a madeira interna e deixá-lo com fundo oco, reduzindo o seu peso de 22 kgs para 13 kgs. “Resolvi fazer isso pois percebi que poderia matar alguém com essa prancha, caso ela acerte alguém”, explica, ressaltando que, não fosse isso, gostaria de manter a prancha com o seu peso original.


Muito procurado para fazer restauros e consertos em todo tipo de prancha, Alex procura divulgar as qualidades da madeira, inserindo recortes de marupá e outras variedades em bicos, rabetas, quilhas e longarinas,  conferindo mais beleza e resistência às pranchas que restaura.



Mas ele sabe que são poucos os surfistas dispostos a encomendar pranchas clássicas de madeira, que são bem pesadas, custam mais caro e levam muito mais tempo para ficarem prontas do que as convencionais. “Faço pranchas de colecionador, que vão durar a vida inteira”, resume.


Matéria publicada originalmente na edição 03.05 da revista The Surfer's Journal Brasil.
Crédito de imagens: Luciano Burin/ A Pedra e o Farol
Para falar com Alex clique aqui 



Produções Premiadas

15 de junho de 2015


A convite dos organizadores do Festivalma, tradicional evento cultural ligado à revista Alma Surf, fiz a curadoria do Festival Internacional Mormaii de Curtas-Metragens que buscou estimular a produção audiovisual independente ligada ao surf, ao oferecer prêmios em dinheiro para as melhores produções.



Um processo que me levou a assistir a quase 60 produções do gênero inscritas nas categorias curtas, documentários e selfies, premiadas na última semana com exibição em telões no evento, que rolou no Parque do Ibirapuera em São Paulo para um público de mais de 10 mil pessoas, com shows e exposições artísticas.



A seleção dos filmes se iniciou com uma votação online com a avaliação de um juri especializado, que contou com a participação dos talentosos amigos film makers Loic Wirth, Pietro França, Michelangelo Bernardoni e Lorena Montenegro - que aceitaram gentilmente o convite para analisar as cinco produções mais votadas em cada categoria e conferiram uma alta credibilidade ao julgamento. 

Certamente que sistemas de votação online, embora sejam democráticos, nem sempre premiam necessariamente os melhores filmes e houve alguns questionamentos pertinentes em relação aos critérios que determinam uma produção ser classificada como curta ou documentário - que esperamos corrigir no regulamento das próximas edições.



Mas no saldo final, é certo que as produções premiadas ofereceram um bom conteúdo audiovisual ligado ao surf, como atestam os links dos vencedores de cada categoria incluídos nesta postagem: "Essence - Binho Nunes" de Rafael Roma (melhor Curta); "Entre Rosas e Espinhos" de Gustavo Neves (melhor Documentário) e "Bali Bagus - Bem vindos à Finolândia" de Marcelo Neto (melhor Selfie). Clique aqui para acessar os vídeos de todos os filmes inscritos.       

foto de abertura: divulgação Alma Surf

Cerco de Praia

18 de maio de 2015



No último dia 15 de maio iniciou-se oficialmente mais uma temporada de pesca da tainha no litoral de Santa Catarina, uma prática que é motivo de de conflito entre surfistas e pescadores, numa disputa que se arrasta há decadas, especialmente nas praias de Florianópolis.

O sexto episódio da websérie Pegadas Salgadas traz a visão de representantes do surf local sobre a polêmica proibição do surf em diversas praias de Floripa, que divide opiniões até mesmo entre os surfistas, que são os maiores prejudicados com o impedimento de surfar em muitas das praias, justamente na melhor época do ano de ondas. Do lado dos pescadores, o entendimento de que os surfista espantam os cardumes de tainha segue como uma premissa imutável e amparada por lei, embora ela ainda careça de embasamento científico.


Já abordei este tema com maior profundidade nesta matéria publicada no ano passado na revista Fluir. Desde então, a cada temporada a luta dos surfistas que se organizaram em busca de um acordo mais flexível com os pescadores tem surtido efeito e para este ano temos alguns novos trechos de praia liberados, como os cantos esquerdos da praia do Matadeiro, Armação, Lagoinha do Leste e Mocambique, além das já regulamentadas praias da Joaquina e Mole.

Confira aqui os outros episódios da websérie Pegadas Salgadas
foto: Guto Kuerten


Produção Incentivada

15 de maio de 2015


Maior e mais tradicional evento de celebração da cultura surf no Brasil, o Festivalma chega a sua 11a edição com uma extensa programação que reúne arte, cinema e música em São Paulo e Santos.

Fui convidado a participar da curadoria do Festival Internacional Mormaii de Curtas-Metragens Surf e Praia, que integra a programação do evento e selecionará os melhores vídeos por meio de votação online e júri especializado, fomentando a produção audiovisual independente de surf.

As melhores produções terão exibição no Festivalma XI, com premiação em dinheiro para as categorias Curtas-Metragens e Documentários. A novidade este ano é a categoria Video Selfie, cujos vencedores terão suas produções divulgadas no site do evento e também na plataforma Almasurf - site; Facebook; Youtube.

As inscrições já estão abertas e podem ser feitas até o dia 25 de maio (clique aqui para fazer sua inscrição) e os videos devem ter a seguinte duração:  Curtas-Metragens (até 10 minutos); Curtas-Documentários (até 15 minutos); Video Selfie (até cinco minutos).

Os vídeos devem ser carregados no Youtube ou no Vimeo para gerar um link, que será solicitado no momento de preenchimento da inscrição. A votação on line acontece entre os dias 26/05 e 03/06 e após a análise do juri especializado os vencedores serão divulgados no dia 08 de junho. 


 
Os vencedores da edição anterior foram: 1º "SHVDE", de Derek Dunfee (Estados Unidos); 2º "Abyss", de Jay Grant (Estados Unidos); 3º "Divine Intervention", de José Pedro Gomes (Portugal).

Festivalma XI - Novas
Data e local: 11 a 14 de junho no Parque do Ibirapuera, em São Paulo e
13 de junho no Parque Roberto Mário Santini, em Santos
Entrada gratuita
www.festivalma.com.br
Related Posts with Thumbnails